Etiquetas

domingo, 9 de julho de 2017

NÃO ERA SUPOSTO TERES-ME ARRUINADO A VIDA


Catarina era uma mulher elegante, bem-sucedida e feliz. Todas as amigas lhe invejavam a beleza, a família genuinamente unida, o marido ainda jovem e extraordinariamente poderoso e rico. Tinha triunfado nos negócios e ela nunca teve a mais leve curiosidade de querer saber os seus contornos.
Naquela final de tarde, subiu as escadas para o sótão, encaminhada por uma sem razão qualquer, em busca de nada. Lá chegada, lembrou-se que não visitava aquele sítio desinteressante há anos… Sorriu à memória dos anos e verificou como o passado ficava arrumado em caixotes cobertos de pó. No entanto, havia um que tinha sido aberto há pouco tempo, pois notava-se os dedos de homem sobre o cinzento pó do duro papelão. Seguiu mecanicamente o instinto. Eram papeis e mais papeis e deu consigo numa pose de bisbilhoteira, a pegar neles ao molho, a folheá-los ao acaso, até que o acaso lhe transtornou definitivamente a vida!


Eram contratos de compra e venda, declarações de dívida, cartas pessoais em tom ameaçatório, fotos de encontros proibidos, provas bancárias de avultadas verbas desviadas de contas de algumas empresas de que o marido fora sócio, para contas com estranhos titulares, sediadas na Suíça e nas Ilhas Caimão. Pior do que tudo, evidências claras que o marido tinha estado envolvido no assassínio de um antigo sócio, misteriosamente desaparecido num acidente de barco, durante uma viagem de veleiro, no mar Adriático.

Aninhara-se no chão poeirento e sujo como se aterrasse na mais completa miséria moral, sem paraquedas nem GPS para descer as escadas e encarar uma realidade que jamais seria a mesma.
Que fazer com toda aquela informação que voou sem aviso como um kamikaze sobre a sua vida? Pegar naqueles papeis e confrontar o marido? Para quê se eles eram tão evidentes? Como reagiria ele àquela descoberta dela? Afinal, quem era verdadeiramente o Nuno com quem casara há quinze anos e de quem tivera Filipa, uma jovem adolescente de treze anos, cheia de sonhos e projetos? Estaria ela também em perigo?

Pensou em divorciar-se dele, como uma resolução inabalável, e denunciá-lo à polícia! Depois pensou na vida boa que levavam, no futuro extraordinário que almejava para Filipa e como isso estava dependente da posição económica e sobretudo social que detinham. Pensou nela e em como nunca soube o que era trabalhar, ganhar dinheiro. Na verdade, nem sabia quanto gastava. Usava o cartão de crédito que o marido lhe dera como se abre a torneira da cozinha. Nunca deixara de cumprir o mais pequeno capricho, quanto mais um desejo ou uma necessidade.

Por outro lado repugnava-a viver perto de um homem tão mau e perigoso. A força da sua consciência era tremenda e dizia-lhe que se devia afastar dele o mais rapidamente possível. Tinha deixado de o amar naquela hora que passara e sabia que era um caminho sem regresso. No entanto, o medo da ruína económica, social e pessoal atormentava-a. Não tinha já os pais em quem se abrigar e receava ser surpreendida pela inveja das amigas numa situação de necessidade absoluta. E havia ainda Filipa! Com que direito  lhe destruiria os sonhos que ela já acalentava?

Ouvia a campainha! Era Nuno a chegar. Tinha que usar aquele sorriso cínico das enfadonhas festas a que os dois eram obrigados a ir de vez em quando. Descia a escadas de devagar, como quem viaja para um inferno eterno.
Sabia que tinha de tomar uma decisão, porque até não decidir era impossível para si. Apesar de tudo, percebia que a sua vida se tinha transformado numa ruína pessoal de que era totalmente inocente. Decidisse o que quer que fosse, ela já tinha perdido quase tudo.

GAVB

Sem comentários:

Enviar um comentário