Etiquetas

sexta-feira, 21 de julho de 2017

BABYSITTING PARA MARIDOS


Quando uma mulher vai a um shopping, acompanhada pelo marido ou namorado, debate-se com dois desafios cuja resolução não é certa: encontrar a mala, o vestido ou os sapatos e entreter o companheiro durante três ou quatro horas.

Ao final de meia hora, ele já não tem nada que fazer e começa aborrecer-se a uma velocidade galopante enquanto ela ainda só viu uma loja e está muito longe de tomar uma decisão.
 Pensando nos problemas de ambos e no «clima» entre casal depois de uma ida ao shopping, os chineses começam a dar os primeiros passos no babysitting para maridos/namorados. 
Em Xangai, o Centro Comercial Harbor criou uma espécie de cabine onde as mulheres enfiam os seus maridos e os deixam entretidos em frente a um computador e uma consola com jogos dos anos 90. A experiência tem recolhido reações mistas entre a classe masculina e opiniões muito favoráveis entre as mulheres.

O babysitting para maridos (claro que é preciso arranjar outro nome) é um conceito com muitos maridos para andar, pois ainda há muito homem que comete a loucura de acompanhar a esposa ou a namorada ao shopping. É aborrecimento pela certa, mas há aqueles que nunca aprendem ou não conseguem antecipar uma atividade alternativa e prazerosa que lhes ocupe quatro horas de uma tarde ou serão.
Para quem é apanhado desprevenido o babysitting para maridos é uma solução a considerar, no entanto é necessário fazer up grade a este insípido modelo chinês. 

Além do conforto de bons sofás, era necessário que os chineses (e não só…) estivessem abertos às sugestões dos seus futuros clientes, mantivessem sempre um bar aberto de insuspeita qualidade, disponibilizassem canais de televisão temáticos e personalizados e mantivessem uma estrita política de discrição e reserva sobre as atividades realizadas. Se a mulher quer deixar o seu marido no babysitting que o deixe, mas depois não o massacre com perguntas pormenorizadas sobre o que ficou ele lá a fazer.
O Babysitting Para Maridos ainda gatinha e talvez nem seja lá muito necessário para a maior parte dos homens, mas se alguém decidir implementar a ideia em Portugal, convém ouvir os potenciais clientes e só depois avançar. É que computadores e consolas de jogos é manifestamente pouco e pobrezinho…

GAVB

Sem comentários:

Enviar um comentário