Etiquetas

domingo, 25 de junho de 2017

REAPRENDER A ENSINAR


As aulas terminaram! A maioria dos professores está extenuada, apesar de muitos deles ainda terem exames para corrigir e algum trabalho burocrático para fazer. É assim todos os anos, mas não devia!


Agora a classe docente devia estar a preparar-se para sua reciclagem obrigatória! Formação.
Não aquela formação feita para constar e absolutamente necessária para progredir na carreira (quando isso voltar a ser possível), mas a formação que é necessária para não alargarmos o fosso para os alunos, para não cristalizarmos numa forma de ensinar que aprendemos há trinta anos.

Os alunos, as escolas, a sociedade nunca serão aquilo que queremos, aquilo que idealizamos e lutar contra isso é tempo perdido e um desgaste enorme, além de ficarmos desfasados e azedos.

Há anos que penso que a Formação é fundamental para darmos um pulo de qualidade e nos sentirmos realizados na profissão. Uma formação que nos tire o foco das aulas teóricas, que nos ensine a largar o comando da aula, que nos instrua a usar as tecnologias que os alunos usam em prol daquilo que ensinamos, que nos faça trabalhar a partir daquilo que temos e não daquilo que gostaríamos de ter (alunos, escola, colegas encarregados de educação, instalações...).


Todas as profissões foram fazendo lentamente a sua reciclagem. Hoje médicos, bancários, advogados, empresários são profissionais muito diferentes daquilo que eram há duas décadas…
 Só a classe docente se foi deixando ficar, à espera que o ME encaminhasse a Formação. Isso não aconteceu nem vai acontecer. São os professores que a têm de procurar. 
Ou então criá-la para os colegas. Entre os professores há gente que já trilhou o caminho das pedras e foi experimentado novas formas de ensinar. Algumas delas sistematizaram novos métodos e estão disponíveis para passá-los aos colegas.  É preciso requisitá-los, ouvi-los com humildade e adaptar o que têm para dizer à realidade de cada um.
Precisamos de reaprender a ensinar, para voltar a ter gosto naquilo que ensinamos, para vermos outro tipo de fruto do nosso trabalho, para não acabarmos sempre o ano letivo extenuados e um pouco frustrados.

GAVB

1 comentário:

  1. Será reaprender a ensinar ou, darem-nos as condições para ensinarmos de forma diferente?

    ResponderEliminar