Etiquetas

domingo, 28 de maio de 2017

E NA ADOLESCÊNCIA COMEÇA O MEDO



João Tordo é um escritor que não gosta de holofotes. Serenamente, sempre num tom coloquial, por vezes até calmo de mais, lá foi explicando à plateia que o seu último livro “O Deslumbre De Cecília Fluss” encerra uma trilogia (os outros dois são “Luto de Elias Grou” e “O Paraíso Segundo Lars D.) que na verdade devia chamar-se um tríptico, pois não há uma sequência narrativa entre as três histórias, mas apenas um cimento temático que os une.
Pacientemente explicou que “Deslumbre de Cecília Fluss” tinha como protagonista um adolescente de catorze, imensamente preocupado com sexo, um tio enlouquecido e fábulas budistas.
Às tantas a conversa derivou para a adolescência, esse período em que tudo é difícil de compreende, onde nasce a urgência de viver a juventude, onde se confundem desejo e sofrimento. E onde começa o medo. O medo de não ser amado, de não ser aceite, de não conseguir triunfar. Talvez do medo nasça a urgência, talvez do medo nasça a ação e a inação, talvez sim, talvez não… como diria João tordo como inegável bonomia e suave humor.

E lembrei-me, então, que a adolescência é só o princípio do reinado do medo. Ele ficará sempre connosco como uma sombra vigilante, acusatória, fria. Umas vezes chamar-se-á consciência, outras obstáculo, outras vezes encruzilhada da vida. Um dia aliado, muitos outros empecilho. Havemos de o lamentar, de o culpar, mas poucas vezes de o vencer.
O medo é aquele tipo que poucas vezes olhamos nos olhos. E é pena, porque ele também deve ter medo que um dia deixemos de o temer.
GAVB

Sem comentários:

Enviar um comentário