Etiquetas

sábado, 8 de abril de 2017

DIVERTIR-SE É DIFERENTE DE ABANDALHAR-SE


Impossível não reparar em duas notícias das últimas horas: “Mil estudantes portugueses expulsos de hotel em Espanha” e “Copos, chapéus e cavalos: a festa do Grand National”.
Ambas as notícias referiam os excessos cometidos por muitos jovens em momentos de lazer e divertimento. Em Espanha, um milhar de jovens portugueses foi posto na rua e viu as suas viagens de finalistas terminar de modo abrupto e lamentável, depois de terem ultrapassado todas os limites comportamentais; em Inglaterra. um importante evento hípico é destaque pelo abuso do álcool e o alto nível excentricidade de algumas indumentárias.

O divertimento não tem que ser uma cerimónia religiosa, mas dispensa bem ser a bandalheira em que muitas vezes se torna. É triste observar a impotência que muitos jovens (e menos jovens) têm em criar momentos agradáveis e de puro divertimento sem recorrer ao álcool ou a um comportamento deplorável.
Beber pode ser entusiasmante, libertador e até divertido, mas apenas até um certo número de copos; a partir de um dado limite é apenas repugnante. Não consigo entender que prazer e divertimento podemos tirar da participação em situações degradantes em que apenas expomos o pior de nós.  

Não se trata de impor um modelo de divertimento nem proibir a excêntrica afirmação de muitos jovens, mas apenas de os questionar sobre que prazer conseguem extrair de tanta bandalheira. Que divertimento é esse que apenas se afirma num estado de inconsciência e incorreção? É assim tão necessário um estádio de alienação coletiva para nos divertirmos? Não é possível ser excêntrico, criativo, alegre, bem-disposto sem ser desagradável e inconveniente? Certamente que sim.  
A irreverência pode e deve ajudar à afirmação de uma personalidade, mas é bom que exista algo mais do que o simulacro de uma personalidade.

GAVB

10 comentários:

  1. E foram revistados pela policia a saida de Portugal!

    ResponderEliminar
  2. Para já, de estudantes não têm nada, porque são pessoas que não devem sair de casa porque não se sabem comportar, e por isto, não têm educação e civismo. Também deviam ter uma tarefa especial os professores para impedirem que estes "incorretos seres" saíssem e não ultrapassem a linha de bom comportamento.
    Eu já fui finalista, fomos a Sevilha, passamos a noite numa discoteca, divertimo-nos até não podermos mais...e uma coisa foi certa: não fizemos cenas tristes, desordeiras e de maneira a termos de ser expulsos...isto só se compreende a falta de educação de pessoas que nunca souberam estar fora de casa...Para esses, era um grande castigo até saberem ser gente...Eu sei que a má educação também já vem nas aulas sem respeito pelos professores, e alguns pelos pais, mas....o sistema está pra isto.
    Ai o meu tempo era tão lindo e divertido, sem ser preciso recorrer à bebedeira...
    Srs Professores e Srs Encarregados de Educação, for favor abrem os olhos que esta juventude não se sabe guiar sozinho e depois dá nisto...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo consigo mas os professores nada têm a ver com isto. Este problema vem da educação de casa, da família. Se reparar nas declarações da vice da CONFAP, cujo filho também viajou, são vergonhosas e é o exemplo daquilo que fazem nas escolas. Os filhos fazem porcaria e desculpam as suas atitudes culpando sempre terceiros​.

      Eliminar
    2. Sabes o que se passou?
      Se sabes conta,caso contrário,CÁLA-TE!

      Eliminar
    3. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

      Eliminar
    4. Susie, todos temos a sua quota parte de culpa. Os professores incluídos. Se os pais são irresponsáveis a ponto de não lhe dar educação, a escola tem que o fazer senão haveria disciplinas como Formação Cívica e afins. Os professores também tem que lhes ensinar a ser pessoas educadas e racionais, ou não fosse o campo onde as escolas estão inseridas, a Educação.

      Eliminar
  3. Yakagzca: a sua resposta, sem dizer nada de relevante diz tudo. Esta juventude envergonhou todo um país, uma vez mais...

    ResponderEliminar
  4. A única coisa que me fez comichão foi teres referido a idumentária utilizada em Inglaterra. Não somos livres para sermos fora da norma desde que não desrespeitemos a liberdade do próximo? Se há quem adore chapéus e idumentárias chamativas, força!, em vez de serem chamados de excêntricos, deveriam ser aplaudidos por estarem a vestir a pele que realmente lhes agrada numa sociedade que só sabe criticar (olha a minha moral, como se não tivesse aqui a criticar...)

    De resto compreendo tão bem o que dizes, subscrevo as tuas palavras. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É uma comichão que faz todo o sentido. Realmente a única coisa que se percebe na "indumentária excêntrica" são os chapéus. Foi uma excentricidade abusiva do autor do texto. Eu dizer que também tem direito, mas de facto, não tem!

      Eliminar