Etiquetas

quinta-feira, 6 de outubro de 2016

O QUE PENSAS E O QUE SENTES

Há quem diga que podemos escolher o que pensamos, mas não podemos escolher o que sentimos. Na verdade, acho que nem o que pensamos podemos escolher.
Se não anestesiarmos a mente e a consciência, os factos são o que são e não podemos fugir deles. Ignorá-los é uma forma de engano que dura pouco.
Também é um engano achar que dominamos as emoções, os sentimentos. São ainda mais poderosos que as razões. Colocar pedras de gelo sobre eles, reprimi-los, combatê-los, detestá-los não termina com eles. Na verdade, em muitos casos, apenas os alimenta e lhes dá força.
O que fazer? Aceitá-los, quer as razões quer aos sentimentos, por mais antagónicos que sejam.


E quando as duas realidades chocam brutalmente? Os opostos tanto chocam como se atraem, mas o melhor é quando se complementam. Quando correm um contra o outro, razão e sentimento estafam-se em duas linhas paralelas, sem nunca se encontrarem, apesar de ser esse o objetivo. Quando correm um pelo outro, razão e emoção facilmente se cruzam e tornam qualquer decisão mais confortável.
Todas as grandes decisões exigem instinto, mas não sobrevivem à irracionalidade. O instinto não se compra no supermercado, mas a razão pode ser trabalhada, alterada… basta que os factos em análise sejam diferentes.
O carro perfeito combina a velocidade e a paixão dos italianos com a perfeição e a segurança na travagem dos alemães. Não podemos ter os dois? Claro que podemos. O que pensas e o que sentes podem estar de costas voltadas, mas estão muito longe de ser incompatíveis.
Gabriel Vilas Boas


Sem comentários:

Enviar um comentário