Etiquetas

domingo, 19 de junho de 2016

A DIFERENÇA NÃO SE TOLERA, RESPEITA-SE


Quando se debate um tema, se discutem ideias ou trocam argumentos, pensamos, com frequência, que o objetivo é ganhar o debate ou “ver quem tem razão”. Muitas vezes não é disso que se trata! Todos os assuntos podem e devem ser discutidos, mas perdem interesse para mim quando aquilo que se pretende é aniquilar a liberdade individual do outro.
A liberdade do outro é tão inegociável como a nossa. Infelizmente, muitos de nós só percebem isso quando alguém se quer apossar da sua liberdade. É uma tentação ingénua mandar na vontade do outro. Quanto muito, podemos mandaremos no outro, mas isso só nos desqualifica.
Quer queiramos quer não, as pessoas de qualquer sociedade são diferentes. Quando pertencemos a um grupo maioritário tendemos a dar ares de grandes senhores, tolerando a diferença, aceitando a diferença. A diferença não é coisa que se tolere, a diferença respeita-se. A tolerância não é um valor que se deva aplicar à diferença. Falar de tolerância aplicada à diferença é uma arrogância de carácter tremenda e não contém qualquer bondade.

Então não devemos tolerar? Sim, devemos tolerar o excesso de velocidade ocasional, um excesso de linguagem impróprio e extemporâneo que rapidamente percebe a sua falta, um egoísmo esporádico, mas não podemos aplicar o conceito a alguém que afirma ser comunista, gay ou benfiquista no Porto.
Irritam-me solenemente comentários do género “Mário Nogueira, esse comunista, que nunca foi outra coisa que não sindicalista toda a vida e nunca deu aulas.” Mas há problema em alguém ser comunista? É algum crime ser sindicalista? É por causa dos sindicatos que alguns não trabalham em clima de escravidão. E se Mário Nogueira é sindicalista há vinte anos, à eleição dos seus colegas o deve, só a isso. O mesmo raciocínio se aplica a frases como “Só tens um problema, és do Benfica!”, “Eu logo vi que eras de Lisboa!”, “Coitado, não sabe mais, é preto!”. Este tipo de tolerância é arrogância. O lugar dela é no caixote do lixo.
Gozar com o outro é sempre feio, quer seja de modo abrutalhado quer seja usando uma fina ironia cortante. “Ao menos sou sincero!” – Claro que sim! É sinceramente preconceituoso e assumidamente arrogante. Só isso.
Revela pouco crescimento pessoal precisarmos que alguém nos ponha na pele de um negro, uma lésbica, um adepto de um clube derrotado, para percebermos que a nossa posição minoritária é tão digna como outra qualquer.

Há pessoas que só percebem isso quando emigram, outras que nunca percebem. É chamado síndrome do Peter Pan.
gavb

Sem comentários:

Enviar um comentário