Etiquetas

segunda-feira, 10 de agosto de 2015

O RAPTO DA EUROPA, de Marten de Vos


Marten de Vos (1532-1603) era o mestre de um estúdio muito concorrido em Antuérpia, um importante centro artístico no final do século XVI. A tela “O Rapto da Europa”, datada de final do século XVI é um exemplo típico do seu estilo gracioso e mostra uma europa nua, deitada sobre o dorso de Júpiter disfarçado de touro.
As roupagens ondulantes da jovem formam um elegante arco por trás da sua cabeça enquanto ela se agarra aos chifres do touro. Ela olha para trás com remorsos, para o lugar onde tinha estado a brincar com as suas companheiras antes de ser arrebatada por Júpiter.
À semelhança de outros pintores da sua época, De Vos tinha viajado até Itália, onde foi muito beneficiado pelos artistas venezianos, como por exemplo Ticiano e Veronose, que também tinham tratado o mesmo tema.
O elemento-chave desta composição pictórica é, obviamente, a Europa. Ovídio conta-nos nas suas “Metamorfoses” que Júpiter se enamorou de Europa, filha do rei de Tiro, e disfarçou-se de touro para se poder misturar entre o gado que vagueava pelas areias onde ela brincava.
Na sua pintura, no palácio do Doge de Veneza (1580), Veronese mostra-a enquanto ela admira o belo touro estendendo-lhe flores para que ele beijasse as suas mãos. Júpiter divertiu-se e brincou até Europa perder o medo, pendurar as grinaldas nos seus chifres e montar em cima dele. Foi então que ele atravessou o oceano até Creta, onde consumou o seu amor. Em resultado disso, a jovem deu à luz três filhos, um dos quais foi Minos, rei de Creta.
Outra versão da narrativa mitológica diz que um dos filhos foi o continente da europa e que a própria Europa (rapariga) foi transformada em vaca, tornando-se a constelação e no signo Touro do Zodíaco.

O quadro de Marten de Vos prefere realçar a beleza da jovem que seduziu Júpiter, apostando na nudez como elemento a explorar. Para apreciarmos de perto este quadro do pintor flamengo temos de ir a Bilbau e ao seu centenário Museu das Belas Artes.

Sem comentários:

Enviar um comentário