Etiquetas

quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

INÊS DE CASTRO, A IMPRESSÃO DIGITAL DO AMOR NA HISTÓRIA


Apesar da sua irrelevância histórica, Inês de Castro é, provavelmente, a figura feminina da História de Portugal que os portugueses mais conhecem. Esse pedestal de notoriedade deve-o a Camões, que lhe dedicou, n’Os Lusíadas, um dos mais belos episódios da literatura portuguesa, fazendo, da jovem e belíssima amante do rei D. Pedro, o grande ícone do Amor e da Paixão na literatura e na história portuguesas.  
É inegável que a aia de D. Constança marcou os reinados de D. Afonso IV e de seu filho, D. Pedro, mas  foi Camões que a imortalizou, em longos versos decassilábicos, onde o êxtase poético é completamente atingido.
Não há episódio que melhor os alunos aprendem, quando estudam Os Lusíadas, não há figura histórica que melhor assinale os meados do século XIV.
Camões transformou a vilã sedutora, que enfeitiçou o príncipe herdeiro, em vítima inocente, que pagou, com a própria vida, a força cruel dum amor-paixão, que a submeteu sem piedade.


Na verdade, Inês de Castro pertence muito mais ao universo da literatura do que ao mundo da história, mas é lá que a quero colocar hoje. Passam precisamente seiscentos e sessenta anos sobre esse dia fatídico em que os carrascos reais cumpriram a ordem de D. Afonso IV e assassinaram D. Inês de Castro.
Os tempos que se seguiram provariam que aquela não era "mais uma amante" do príncipe que, por infortúnio, tinha engravidado. Inês era o amor da vida de D. Pedro. Por ela, o futuro rei se revoltaria, furioso, contra o pai; por ela, D. Pedro nunca mais casou; por ela, quis fazer, duma morta, rainha e, insano, obrigou a nobreza do reino ao beija-mão mais macabro da História de Portugal.
Se a década em que o justiceiro governou Portugal ficou psicologicamente impregnada pela sombra da morta de Inês, o final do reinado de D. Afonso IV não fugiu também a esse anátema.


Inês foi sempre a verdadeira rainha ausente de D. Pedro e duzentos anos após a sua morte, Camões tornou-a no ícone literário do amor e da paixão que inspirou poetas, dramaturgos e romancistas até aos dias de hoje.
Inês é o rodapé mais valioso da História de Portugal. É ela que nos faz olhar com outra atenção para os aqueles monótonos reinados de Afonso IV e D. Pedro, onde a primeira dinastia dava os suspiros, mas não sabia!
Inês de Castro é a quente impressão digital do Amor na aridez da História.
Gabriel Vilas Boas

Sem comentários:

Enviar um comentário