Etiquetas

segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

AO SOM DE... JOSÉ COELHO DOS SANTOS

2015 é o ano do centenário da morte do compositor amarantino José Coelho dos Santos. Para celebrar esta data, ir-se-ão levar a cabo uma série de iniciativas que visam dar a conhecer esta figura completamente desconhecida da maioria da população e divulgar a obra deste músico amarantino, que na sua época compôs e publicou as suas composições.
José Coelho dos Santos nasceu no dia 11 de março de 1861, em Amarante e morreu na mesma cidade a 16 de novembro de 1915. Pouco sabemos da vida do compositor, apenas que viveu e trabalhou como professor de piano na cidade do Porto, casou e teve dois filhos, que aquando da morte do compositor estavam estabelecidos no Rio de Janeiro. 

A obra que chegou até aos nossos dias pela mão de um seu sobrinho-neto, e que em breve será divulgada, no decorrer das comemorações, contempla essencialmente peças para piano, o que se justifica pelo facto de ser esse o instrumento cuja técnica José Coelho dos Santos dominava perfeitamente, a julgar pelas obras que escreveu.

Pela análise das obras que foram publicadas pelo compositor, podemos dizer que Coelho dos Santos era um músico do seu tempo, que se insere no romantismo que dominou o século XIX europeu. Algumas das suas composições foram escritas para piano e canto, musicando belíssimos poemas de Júlio Sinde e Oliveira Passos. O seu inegável romantismo manifesta-se nos contrastes, no uso de diferentes tonalidades ao longo da música, expressando as emoções do compositor e revelando os seus sentimentos mais profundos.

Vivendo José Coelho dos Santos no Porto podemos presumir que estaria a par da vida cultural e artística da cidade, que nesta época era intensa. Foi precisamente nesta altura, finais do século XIX e primeira metade do século XX que se verificou um grande desenvolvimento do comércio musical no Porto. Surgiram estabelecimentos comerciais onde se vendiam partituras e instrumentos musicais, o que terá sido um fator decisivo para o incremento da produção e interpretação musical na cidade. No Porto apresentavam-se músicos de renome mundial tais como Ravel, Bartók, Pablo Casals e Alfred Cortot. José Coelho dos Santos, apesar de aparentemente ter sido afastado ou marginalizado pela sociedade da época, por razões que julgamos associadas às suas convicções políticas e religiosas, não terá sido alheio ao que se passava ao seu redor, na cidade onde vivia e exercia a atividade de professor de música e de piano.


Ainda não há gravações das belíssimas obras de Coelho dos Santos, mas estamos à espera do início das comemorações para darmos a conhecer neste espaço a obra deste compositor amarantino. 

Margarida Assis

4 comentários:

  1. Não sabe onde podemos encontrar partituras deste nosso compositor?

    ResponderEliminar
  2. Não sabe onde podemos encontrar as partituras deste nosso compositor?

    ResponderEliminar