Etiquetas

domingo, 16 de março de 2014

O CONSUMISMO COME O CÉREBRO

Ontem foi o dia mundial do consumidor. Não vi nem ouvi muito sobre. É já uma data iconográfica e pouco mais.
Para mim é curioso ouvir quase sempre falar dos “direitos do consumidor”, quase nunca dos deveres. Isto acontece porque o consumidor é a parte fraca. Até já tem direito a dia para lembrar os seus direitos. Quanto aos deveres, ele cumpre na perfeição: consome até se consumir.
Consumir já nem é pecado. Tornou-se doença e dependência. Já nem é alvo de censura, mas de compreensão, tal é a impotência com que o enfrentamos. 
Consumir é uma droga legal. Tão legal que muitas economias plantaram o seu sucesso em cima dela. É claro que isso desequilibrou sociedades em geral e o indivíduo em particular, mas isso não interessa nada às máquinas registadoras com duas pernas e muitas mãos. Como são magnânimos e inteligentes permitem o dia do consumidor que, lá no fundo, apenas lhes presta homenagem.



Há mais de cinquenta anos, Kennedy criou o dia procurando que aos americanos fosse garantido o direito à informação, segurança, escolha e o direito a ser ouvido. Portugal só em 1996 consagrou esses direitos, em lei. De lá para cá a DECO tem sido das associações mais ativas em Portugal na sua defesa.
Claro que sei que consumir é uma necessidade humana, claro que reconheço a importância dos direitos dos consumidores estarem plasmados em lei. No entanto, a questão, para mim, transborda o campo legal. É sociológica.
O consumismo é o ato de comprar o que não se precisa, com o dinheiro que não se tem, para impressionar pessoas que não se conhece, a fim de tentar ser aquilo que não se é.
A sociedade ocidental (e agora também a oriental) tornou-se numa sociedade consumista. Uma sociedade de mercado, onde o dinheiro parece ser o único valor que conta, só existe se houver alguém que consuma porque sim.
Isso aconteceu quando o consumismo comeu o cérebro das pessoas. A vaidade e a futilidade fizeram o resto. A mais suprema das ironias é que consumir passou a ser chique, desejável, recomendável. Enfim, uma virtude. É ver a estratégia económica das cidades e até de países como Portugal: “Bom, bom é que venham cá e consumam muito”. É uma ideia de desenvolvimento económica errada, porque depende dos outros. É uma ideia socialmente egoísta que apenas vê o seu interesse. Jamais produzirá sociedades justas, quanto mais felizes ou ricas.
O consumismo é altamente destruidor. Destrói o planeta e o equilíbrio do Homem com a Natureza. Mina o apetite pela descoberta, pela experiência e nesse sentido atrasa a ciência. Mas a mais importante destruição é a do ser humano. Dos valores aos sentimentos a devastação é imensa. O melhor exemplo disso é o Natal, onde a hipocrisia e o consumismo estão a construir uma obra-prima digna do diabo.



O consumismo transformou os valores do ser humano ao entrar-lhe no âmago. Hoje, as pessoas são descartáveis como as coisas, porque as encaramos como objetos consumíveis tal e qual como uma peça de roupa que usamos uma ou duas vezes antes de a pôr definitivamente de lado. Já reparámos que consumimos despudoradamente os outros?
                Não podemos deixar que o consumismo tome conta do espaço do amor, da amizade, da partilha, pois abrir-se-ão feridas enormes na alma que nos derrotarão com mais contundência que uma doença mortal.
O que temos que fazer é simples: deixar de comprar o que não precisamos. Ter a inteligência suficiente para distinguir entre a necessidade e o desejo.
Precisamos urgentemente de voltar a ter a parcela de liberdade que alienámos. Ela não está perdida, está no “prego”, à espera que tenhamos a coragem de a resgatar.  

Gabriel Vilas Boas

1 comentário:

  1. EXCELENTE TEXTO SOBRE O CONSUMISMO!!! CONSUMIR JÁ NEM É PECADO... MAS TORNOU-SE UMA DOENÇA. É PRECISO SER INTELIGENTE PARA DISTINGUIR ENTRE A NECESSIDADE E O DESEJO... CONCORDO... PARABÉNS GABRIEL!!!

    ResponderEliminar