Etiquetas

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

RUA 31 DE JANEIRO

É a rua que do lado nascente da Ponte de S. Gonçalo (margem esquerda) conduz ao Largo Conselheiro António Cândido (vulgo Largo do Arquinho).
Primitivamente foi conhecida e tratada por Rua de Gouveia, por ser a mais importante artéria do extinto concelho medieval com o mesmo nome e que teve foral outorgado pelo rei D. Manuel I a 22 de Novembro de 1513, e cuja casa da Câmara se situava ao fundo da mesma rua, em local ainda hoje assinalado por uma placa granítica, integrada na fachada do edifício e a encimar a porta do Café Morgado!

E “reza” assim:
Documentos antigos atribuem àquela zona a denominação de Povoação de Cubello do Tâmega”, de onde virá àquela rua a designação que melhor a identifica, Rua do Covelo!
Contudo as vicissitudes da história do país tiveram sempre repercussões significativas na nossa terra e a mesma rua é “baptizada” durante a Monarquia Constitucional com o nome de Rua D Luis I em homenagem ao monarca que herdou a coroa de D. Pedro V, seu irmão, que faleceu sem descendência em Novembro de 1861.

Mas a República implantada a 5 de Outubro de 1910 depressa lhe trocou o nome, e ainda não acabado o mês de Outubro, a 29 de Outubro de 1910, já a mesma artéria se chamava Rua Machado dos Santos em homenagem ao ilustre republicano que após a morte inesperada do Dr. Miguel Bombarda a 3 de Outubro de 1910, deu início ao movimento revolucionário que iria implantar a República em Portugal, e no qual se distinguiu como verdadeiro herói na Rotunda da Avenida da Liberdade.
Mas foi sol de pouca dura!
A 4 de Março de 1911, a mesma Comissão Administrativa Republicana de Amarante, atribui à rua o nome de Rua 31 de Janeiro, para homenagear os que participaram no movimento revolucionário de 31 de Janeiro de 1891,a primeira grande tentativa republicana de derrube da monarquia e que nas palavras de João Chagas (n. Rio de Janeiro, 1 de Setembro de 1863- m. Cascais, Estoril, 28 de Maio de 1925) foi “ o mais luminoso e viril movimento de emancipação que ainda sacudiu Portugal no último século”, ignorando mesmo o nome de Machado dos Santos recentemente atribuído, a crer no texto justificativo da atribuição do novo nome:
“…tomando por base norma seguida pela Câmara do Porto e outras do país, resolveu esta Câmara, que não se dê às ruas da vila o nome de vivos e em harmonia com esta resolução resolveu que à Rua D. Luiz I, se dê o nome da Rua 31 de Janeiro.” ( Livro de Actas- 4, pag 9 de 4 de Março de 1911)
De todos estes nomes, aquele que reuniu o consenso popular, foi e continua a ser a designação de Rua do Covelo!

Esta rua é por demais conhecida de amarantinos e forasteiros, pelos inúmeros estabelecimentos comerciais, nomeadamente os de restauração (restaurantes e tasquinhas) que se orgulham de bem servir a excelente gastronomia local e das confeitarias, exímias na produção da tradicional doçaria conventual!
É uma das ruas que em tempos de cheias o Tâmega inunda, transfigurando-a em canal de uma qualquer Veneza do Douro Litoral!
Rua do Covelo - Cheias de 1962

A Rua ostenta orgulhosamente nas suas paredes os níveis das incursões do Tâmega, como se de feridas de guerra que a dignificam se tratasse, para espanto dos forasteiros que nos visitam!
Nesta rua nasceram dois prestigiados jornais locais, a Flôr do Tâmega e o Tribuna de Amarante, da iniciativa da família Carneiro!
Ali terá existido o hospital e albergaria medieval do Covelo, e um interessante fontanário, chamado de “fonte da Albergaria” que ainda conheci, mas que a voracidade do tempo e dos homens “extinguiu”. Neste hospital e albergaria se dava acolhimento a peregrinos doentes que a Amarante se deslocavam em romagem ao túmulo de S. Gonçalo.
A este hospital e albergaria se refere a Drª Maria José Queirós Lopes no seu trabalho de Mestrado em História Moderna, intitulado “ Misericórdia de Amarante: Contribuição para o seu estudo”, nos seguintes termos:

- “O hospital da albergaria tinha uma localização privilegiada junto da casa do foral do concelho de Gouveia. Dispunha de comunicação directa por escada com a rua do Covelo, a principal artéria da época. O edifício implantava-se num espaço murado que em volta dele enformava o pátio com escadas que desciam para um terreiro espaçoso (328m2), em proporção à dimensão do edifício cuja área seria na ordem de 13lm2. Era no terreiro que se situava a fonte da albergaria, da qual ainda há memória.

António Aires

15 comentários:

  1. Gostei deste artigo tão informativo sobre a nossa... pois, Rua do Covelo!

    ResponderEliminar
  2. Cresci aqui. Aqui morava a minha avó. Fiquei a conhecer mais pedaços da história da Rua do Covelo. Parabéns, Aires

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É maravilhoso quando verificamos que a Rua onde crescemos tem tanto História e tantas histórias para contar.

      Eliminar
    2. Há muito para descobrir sobre Amarante. Cada rua, cada recanto, alguns edifícios escondem histórias que vale a pena contar.

      Eliminar
  3. GOSTEI... MAS NÃO CONHEÇO A RUA 31 DE JANEIRO OU RUA DO COVELO!!! PARABENS.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não conheces, mas podes e deves conhecer, Ana. Vais gostar.

      Eliminar
    2. ´´Otima resposta!...

      Eliminar
  4. Penso ser lapso do autor, D. Luís recebe a coroa de seu irmão D. Pedro V e não Carlos V.
    Parabéns ao autor pelos temas de história que leio com especial prazer. Pov.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro que foi lapso. Obrigado pela atenção. Também seria uma atenção connosco que o comentário tivesse autor. O texto tem, o blogue tem, os comentadores também têm.

      Eliminar
  5. O anónimo existe, para alguma coisa, não?!... Se não tirem-no...

    ResponderEliminar
  6. Se o anónimo existe, ninguém tem que se queixar|...

    ResponderEliminar
  7. Tirem o anónimo, se incomoda tanto!....

    ResponderEliminar
  8. Quero agradecer ao Anónimo a pertinência da correcção! Aliás só tivemos um rei D.Carlos e era precisamente filho de D.Luis I.
    António Aires

    ResponderEliminar
  9. Que aflição vos faz o anonimato!....

    ResponderEliminar
  10. Pelo visto o anónimo é que está aflito. Nó publicamos o que os anónimos dizem, sempre que isso é pertinente em relação ao texto publicado. Claro que não vamos tirar o anónimo, ele serve para as pessoas ainda pouco habituados com os comentários em blogue expressarem a sua opinião. E claro que também serve para os corajosos deixarem a sua douta opinião sobre a pessoa que escreve. A mim, os anónimos não me incomodam, eles é que deviam incomodar-se...

    ResponderEliminar