Etiquetas

domingo, 16 de fevereiro de 2014

JOGOS OLÍMPICOS DE INVERNO

Citius, Altius, Fortius
Talvez seja o maior dos meus pecados: o desporto. Momento de convívio, exaltação da inteligência individual e coletiva, superação dos limites, arte, beleza, celebração da vida.
           Tudo isto se conjuga nos Jogos Olímpicos. Sempre me magnetizaram pelo encontro cultural entre povos que proporcionam; pela ética que, idealmente, os envolve; pelo citius, altius, fortius que cada atleta procura e pela manifestação de arte pura que cada desporto envolve. É uma beleza que fascina e encanta.
            Hoje chegámos a meio dos XXII Jogos Olímpicos de inverno, que se disputam em Sochi, na Rússia. É a segunda vez que a Rússia organiza uns Jogos Olímpicos, mas a primeira vez no que diz respeito aos da estação do frio.
                

       A primeira vez que se realizou uma competição mundial de desporto de inverno foi em 1924, em Chamonix. Dois anos mais tarde o COI deu ao evento o estatuto de Jogos Olímpicos, passando estes a realizarem-se de quatro em quatro anos, em anos coincidentes com os Jogos de verão. Só a partir de 1986, os Jogos Olímpicos de verão e de inverno passaram a realizar-se intercaladamente, mas sempre em anos pares.  
           Sem o glamour dos Jogos de verão, o evento de inverno envolve desportos de gelo e desportos de neve. Aprecio sobretudo os desportos de gelo, com especial admiração pela patinagem artística. A dificuldade, rapidez e graciosidade dos movimentos das patinadoras fascinam-me, pois expressam duma maneira sublime toda a arte e beleza que o desporto pode encerrar. Não é um desporto agressivo, mas envolve uma exigência física enorme e uma capacidade de sacrifício elevadíssima.
      Os Jogos que atualmente decorrem na Rússia têm a participação de seis mil e setecentos atletas provenientes de oitenta e seis países que tentam alcançar uma das oitenta e seis medalhas de ouro que os Jogos atribuem. Entre os envolvidos estão dois lusodescendentes que levam a nossa bandeira a solo russo. No entanto, é sabido que Portugal não tem tradição neste tipo de Jogos, devido ao seu clima temperado.
                Entretanto, o presidente russo, Vladimir Putin, investiu forte na promoção destes Jogos. Não porque entenda claramente o espírito dos Jogos Olímpicos, que privilegiam a tolerância, o pacifismo, o convívio na diferença. Apenas tenta aproveitar-se do evento para limpar a péssima imagem dum país onde verdadeiramente não há liberdade de expressão nem respeito pela diferença. Putin, tal como Hitler, pretende retirar dividendos dos Jogos. Felizmente as inúmeras cadeias de televisão que levam os Jogos Olímpicos de Sochi até mais de sete mil milhões de pessoas não lhe têm permitido tirar o partido que projetou duma propaganda ridícula e que o devia envergonhar.
                Aqueles que como eu vão seguindo estes Jogos, que terminam no próximo dia 23 de fevereiro, deleitam-se como momentos como este. E é isso que vos proponho com o vídeo que vos deixo.

Gabriel Vilas Boas


4 comentários:

  1. Não é um dos meus pecados... rsrssrsrssss... até é uma das minhas falhas...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Com tantos pecados no curricullum, tinhas de dar uma folga. Bjs

      Eliminar
  2. BELO VÍDEO!!! SÃO ESTES MOMENTOS ASSIM QUE NOS ENCANTAM E FASCINAM COM A SUA BELEZA...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Finalmente aparece o teu nome. Agora só falta a fotografia (e nada de flores, que são bonitas mas não há nenhuma que se chame Ana ehehehe). quanto ao vídeo, escolhi este porque a patinagem sempre me seduziu e sei que muita gente partilha deste sentimento. Bjs

      Eliminar